domingo, junho 21, 2009

EDUCAÇÃO? EDUCAÇÕES: APRENDER COM O ÍNDIO - REFLEXÃO


A partir da reflexão sobre o texto “Educação? Educações: aprender com o índio” de Carlos Rodrigues Brandão, apreende-se que a educação acontece de forma ampla e diversificada e que cotidianamente aprende com o homem a continuar o trabalho da vida. Compreende-se que não existe apenas um único modelo, um único local determinado para seu acontecimento e ainda, um único responsável para transmiti-la, mas existem várias educações. O saber é adquirido através de diferentes vivências e situações de trocas entre pessoas em todos os contextos sociais coletivos, tais como, os ambientes familiares, religiosos, culturais e de lazer, que são favoráveis para que a educação aconteça e desenvolva cidadãos mais críticos e participativos na construção de uma sociedade mais justa. A educação participa do processo de produção de crenças e ideias, de qualificações e especialidades que envolvem a troca de símbolos, bens e poderes, e que em conjunto constrói tipos de sociedade. A força desta está em ajudar a pensar e a criar o saber que constitui e legitima os tipos de homens, e ainda, integrar o processo de resistência contra a dominação contribuindo significativamente para uma pratica social transformadora. Mas, sua fraqueza está em colaborar para manutenção e reprodução das condições econômico-sociais adversas da sociedade e da ideologia dos segmentos dominantes. Se a missão da educação visa “transformar sujeitos e mundo em alguma coisa melhor”, não há como ignorar as outras formas de educação e pretender a imposição de um único modelo de educação que dê conta disto. Caso contrário, a elaboração de um discurso ideológico com vistas à reprodução de uma mesma situação provocará resultados não diretamente esperados e contrários ao seu objetivo real. Logo, é preciso pensar a educação para não correr o risco de deseducar ao pretender educar.


ANALÍTICS