Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2010

CELINE DION - Quand On N’a Que L’amour

Quand on n'a que l'amour

À s'offrir en partage

Au jour du grand voyage

Qu'est notre grand amour

Quand on n'a que l'amour

Mon amour toi et moi

Pour qu'éclatent de joie

Chaque heure et chaque jour

Quand on n'a que l'amour

Pour vivre nos promesses

Sans nulle autre richesse

Que d'y croire toujours

Quand on n'a que l'amour

Pour meubler de merveilles

Et couvrir de soleil

La laideur des faubourgs

Quand on n'a que l'amour

Pour unique raison

Pour unique chanson

Et unique secours

Quand on n'a que l'amour

Pour habiller matin

Pauvres et malandrins

De manteaux de velours

Quand on n'a que l'amour

À offrir en prière

Pour les maux de la terre

En simple troubadour

Quand on n'a que l'amour

À offrir à ceux-là

Dont l'unique combat

Est de chercher le jour

Quand on n'a que l'amour

Pour tracer un chemin

Et forcer le destin

À chaque carrefour

Quand on n'a que l'amour

Pour parler aux canons

Et rien qu'une …

CARTAS A UM JOVEM POETA

Li um artigo sobre "Como ler e escrever poesia" (http://www.pucrs.br/gpt/poesia.php) e resolvi postar aqui belas e verdadeiras linhas  referentes a arte poética. Trata-se de uma carta em resposta à um jovem que aspirava se tornar poeta...
Dignas de nota são também as cartas de Rainer Maria Rilke (1875-1926), o maior poeta da língua alemã do séc. XX.
Rilke recebe uma carta de um jovem chamado Franz Kappus, que aspira a se tornar poeta e que pede conselhos ao já famoso escritor. O fato dá início a uma troca de correspondências na qual o poeta responde aos questionamentos do rapaz e expõe suas opiniões a respeito de ser poeta, da necessidade de escrever, da criação artística, entre outros assuntos.
Foram dez as cartas, das quais transcrevemos a primeira.
Primeira Carta de Rainer Maria Rilke
Paris, 17 de fevereiro de 1903
Prezadíssimo Senhor,
Sua carta alcançou-me apenas há poucos dias. Quero agradecer-lhe a grande e amável confiança. Pouco mais posso fazer. Não posso entrar em consid…

PSICOMOTRICIDADE: PRINCIPAIS CONCEITOS

INTRODUÇÃO
O cérebro é considerado o órgão que integra a motricidade, que elabora e reintegra os seus efeitos. Nascemos com uma relação inconclusa entre o corpo e o cérebro que não tem vias de comunicação, nem de interação. Portanto é o desenvolvimento da motricidade que vai proporcionar essa comunicação estreita entre o centro e a periferia. A função da motricidade é o meio através do qual a inteligência se edifica e organiza-se e é o meio através do qual essa inteligência se manifesta.
A integração sucessiva da motricidade implica a constante e permanente maturação orgânica. Ela é a interação de diversas funções motoras (perceptivomotora, neuromotora, psicomotora, neuropsicomotora, etc). A atividade motora é de suma importância no desenvolvimento global da criança. É através da exploração motriz, que a criança desenvolve a consciência de si mesma e do mundo exterior. Essa motricidade humanizada é aquilo que designamos por psicomotricidade.

1. HISTÓRICO E DEFINIÇÃO

No século XIX, o corp…

PSICOLOGIA SÓCIO-HISTÓRICA: SUBJETIVIDADE E MUNDO SOCIAL

INTRODUÇÃO
A Psicologia Sócio-Histórica é uma vertente teórica da Psicologia, cujas proposições ligadas ao conhecimento do homem e sua subjetividade estão guiadas pela concepção materialista dialética. Ela surge no inicio do século XX, na União Soviética, momento em que esta procurava reconstruir suas teorias científicas a partir do referencial marxista. Os autores que definem os fundamentos teóricos são: Alexandr Romanovich Luria (1902-1977); Aléxis Nicolaievich Leontiev (1903-1979) e Lev Seminovichi Vigotski (1896-1934).
Vygotski propôs-se a construir uma Psicologia guiada pelos princípios e métodos do materialismo dialético, destinando sua produção à descrição e explicação da construção e desenvolvimento do psiquismo e comportamento humano, a partir das funções psicológicas superiores (pensamento, linguagem e consciência), guiando-se pelo princípio da gênese social da consciência. O humano se constitui pela relação do homem com a realidade, não só enquanto meio social imediato, mas …