domingo, maio 24, 2015

UM OLHAR SOBRE O AMOR NO OCIDENTE

"O amor exige, assim, o reconhecimento do outro enquanto liberdade e de si próprio como liberdade. O amado, nas palavras de Beauvoir, realiza um "intermédio de si a si" (1990, p.437), ou seja, o amor se constitui na exata medida em que um sujeito se faz mediação para o outro sujeito. Mediar, neste caso, é dar instrumentos para lançar o outro para o futuro desejado, para aquilo que escolheu ou acha importante ser, seja por meio de incentivos, solidariedade, cumplicidade, seja por meio de críticas." (Pretto, Z.; Maheirie,K.; Filgueiras Toneli, 2009 - UM OLHAR SOBRE O AMOR NO OCIDENTE)


Beauvoir, S. de. (1990) O Segundo Sexo: A Experiência Vivida. (S. Milliet, Trad.). 9ª impressão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, v.2. 

terça-feira, maio 19, 2015

O NOVO OU O VELHO?

E você?
Ficará no velho enquanto o novo te espera?
Eis a questão...


O NOVO OU O VELHO?

“Então lhes contou esta parábola: “Ninguém tira remendo de roupa nova e o costura em roupa velha; se o fizer, estragará a roupa nova, além do que o remendo da nova não se ajustará à velha.” (Lucas 5:36, NVI)

É possível encontrar pessoas vivendo e respirando memórias do passado, de um passado distante! Há algum problema nisso? Não, desde que a vivência destas memórias não venha impedir você de ir ao encontro de novas experiências para tua vida. É fato que você não detém o controle de teus dias ou dos eventos que se inscrevem em tua trajetória, mas você tem o poder de fazer melhores escolhas, de modo mais consciente, e também tem a capacidade de significar tuas experiências, inclusive aquelas de seu passado, escondidas ou quase intocáveis no fundo da alma. Há situações vivenciadas, tão difíceis ou dolorosas que você prefere deixá-las cristalizar com o tempo, mas elas estão em você, e poderiam ser dissolvidas, se elaboradas fossem. Quanto tempo de sua vida e quanto de energia você consome vivendo do e no passado? Cercado de ideias como: “Teria feito diferente”, “Poderia ter acontecido assim”, “Fui impedido de continuar…” ou ainda “Não tinha visto ou não sabia… e agora?”. Enquanto você fica preso na impossibilidade do que você idealizou e do que não se configurou do modo esperado, você deixa de prestar atenção no que vive agora, e deixa de experimentar o novo que se coloca diante de você. Há situações em que não é possível emendar ou remendar. Como em um tecido, se você tentar costurar um remendo novo no tecido velho, irá estragar o tecido novo, e o velho não se ajustará. E o que isto significa? Não é possível estragar o novo com coisas velhas, o que passou não volta mais. Você deve reconhecer que tuas vivências fazem parte de teu crescimento interno e não devem ter um gosto amargo na boca, pelo contrário: os eventos aprazíveis poderão ser lembrados e os eventos dolorosos também, mas não poderão manter você fixo neles. A vida vibra e espera que você mergulhe nela sem medo de vivê-la! Você deve estar atento para o seguinte: quanto mais você vive no passado, no velho, mais você perde possibilidades de viver o presente, e de construir o teu futuro, o novo. O teu presente, influenciará o teu futuro. O que você faz? É preciso que você aprenda a se dar amor, a se amar da maneira que deseja que os outros te amem. É preciso que você queira ter cuidado contigo. E como fazer? Olhar para você e gostar do que vê; perceber o que você gosta, e quais são teus limites. Você precisa aprender a se respeitar e se harmonizar com você. Aprender a se perdoar sobre as coisas que não foi capaz de alcançar ou pelas coisas que foram atribuídas a você e as quais você sequer reconhece. Você precisa valorizar-se, valorizar o que faz e como faz. Isto é ter consciência. Esperar de quem não tem para si mesmo, não te fará crescer. Esperar de situações que nada tem haver contigo, não te fará melhor. Para descobrir o novo, é preciso movimentar-se. Não fique aí esperando que as coisas venham ao teu encontro. Se acontecer, ótimo! Mas, não tenha expectativas além da realidade. Tenha coragem! Coragem de olhar e ver o que é exatamente. Coragem para se aceitar e buscar o que deseja. Busque a paz interior. Pare de tantas cobranças contigo pelo o que aconteceu ou pelo o que deveria ter feito. Sempre há uma nova chance de recomeçar e uma nova chance para fazer diferente. Empregue tua energia e tua vida em experimentar o novo e faça as pazes com o velho. Depende de você fazer dar certo. Como? Faça boas escolhas, não tenha medo de se descobrir e de saborear a vida com tudo o que ela te traz. Ame-se mais, se aceite mais, siga em frente. Ficará no velho, enquanto o novo te espera?

Texto: Mirian Lopes

A VIAGEM

Bom dia queridos internautas! Que tal uma viagem pelas paisagens de seu interior?
Boa leitura...


A VIAGEM

A vida consiste em uma grande viagem em nós mesmos! Uma viagem única e surpreendente. Desenhada por diversas paisagens que se transformam a cada instante. É preciso coragem e vontade para percorrer a trajetória desta viagem e descobrir um pouco mais de nosso ser, e compreender como somos e para que somos. Nossa história é construída continuamente a cada encontro: encontro conosco, encontro com o outro. Temos percepções sobre as coisas que nos cercam, e por vezes somos ignorantes de tantas outras que já nos tomaram inteiramente. Temos sentimentos e desejos que se misturam, e sabemos pouco ou quase nada em como tocá-los. Nascemos e logo nos deparamos com um mundo diverso, fora e dentro de nós. Crescemos, pensamos e nos movemos em várias direções: construímos pontes, percorremos atalhos, derrubamos muros, ampliamos espaços, buscamos novo sentido. Fazemos escolhas e descobrimos o poder deste ato e as consequências que se desencadeiam. Temos desafios, dúvidas e certezas. Entendemos que para abraçar algo, temos que deixar algo. Experimentamos os limites e sabemos da nossa fragilidade. Sonhamos acordados e conhecemos a realidade. Guardamos lembranças, cometemos erros e que bom! Aprendemos com os nossos erros. Temos a oportunidade de acertar e fazer diferente. Ás vezes, nossos olhos nos confundem, e as imagens, e as ideias, e as sensações parecem indefinidas, mas quando chegamos mais perto para olhar, então vemos claramente novas paisagens! E que viagem maravilhosa...

Texto: Mirian Lopes, 18/05/2015

ANALÍTICS