terça-feira, abril 20, 2010

COMO SURGE O LIVRO



"Um país se faz com homens e livros." (Monteiro Lobato)

segunda-feira, abril 19, 2010

EDGAR ALLAN POE



THE RAVEN


Edgar Allan Poe

Once upon a midnight dreary, while I pondered, weak and weary,
Over many a quaint and curious volume of forgotten lore,
While I nodded, nearly napping, suddenly there came a tapping,
As of some one gently rapping, rapping at my chamber door.
"'Tis some visitor," I muttered, "tapping at my chamber door-
Only this, and nothing more."
Ah, distinctly I remember it was in the bleak December,
And each separate dying ember wrought its ghost upon the floor.
Eagerly I wished the morrow;- vainly I had sought to borrow
From my books surcease of sorrow- sorrow for the lost Lenore-
For the rare and radiant maiden whom the angels name Lenore-
Nameless here for evermore.
And the silken sad uncertain rustling of each purple curtain
Thrilled me- filled me with fantastic terrors never felt before;
So that now, to still the beating of my heart, I stood repeating,
"'Tis some visitor entreating entrance at my chamber door-
Some late visitor entreating entrance at my chamber door;-
This it is, and nothing more."
Presently my soul grew stronger; hesitating then no longer,
"Sir," said I, "or Madam, truly your forgiveness I implore;
But the fact is I was napping, and so gently you came rapping,
And so faintly you came tapping, tapping at my chamber door,
That I scarce was sure I heard you"- here I opened wide the door;-
Darkness there, and nothing more.
Deep into that darkness peering, long I stood there wondering, fearing,
Doubting, dreaming dreams no mortals ever dared to dream before;
But the silence was unbroken, and the stillness gave no token,
And the only word there spoken was the whispered word, "Lenore!"
This I whispered, and an echo murmured back the word, "Lenore!"-
Merely this, and nothing more.
Back into the chamber turning, all my soul within me burning,
Soon again I heard a tapping somewhat louder than before.
"Surely," said I, "surely that is something at my window lattice:
Let me see, then, what thereat is, and this mystery explore-
Let my heart be still a moment and this mystery explore;-
'Tis the wind and nothing more."
Open here I flung the shutter, when, with many a flirt and flutter,
In there stepped a stately raven of the saintly days of yore;
Not the least obeisance made he; not a minute stopped or stayed he;
But, with mien of lord or lady, perched above my chamber door-
Perched upon a bust of Pallas just above my chamber door-
Perched, and sat, and nothing more.
Then this ebony bird beguiling my sad fancy into smiling,
By the grave and stern decorum of the countenance it wore.
"Though thy crest be shorn and shaven, thou," I said, "art sure no craven,
Ghastly grim and ancient raven wandering from the Nightly shore-
Tell me what thy lordly name is on the Night's Plutonian shore!"
Quoth the Raven, "Nevermore."
Much I marvelled this ungainly fowl to hear discourse so plainly,
Though its answer little meaning- little relevancy bore;
For we cannot help agreeing that no living human being
Ever yet was blest with seeing bird above his chamber door-
Bird or beast upon the sculptured bust above his chamber door,
With such name as "Nevermore."
But the raven, sitting lonely on the placid bust, spoke only
That one word, as if his soul in that one word he did outpour.
Nothing further then he uttered- not a feather then he fluttered-
Till I scarcely more than muttered, "other friends have flown before-
On the morrow he will leave me, as my hopes have flown before."
Then the bird said, "Nevermore."
Startled at the stillness broken by reply so aptly spoken,
"Doubtless," said I, "what it utters is its only stock and store,
Caught from some unhappy master whom unmerciful Disaster
Followed fast and followed faster till his songs one burden bore-
Till the dirges of his Hope that melancholy burden bore
Of 'Never- nevermore'."
But the Raven still beguiling all my fancy into smiling,
Straight I wheeled a cushioned seat in front of bird, and bust and door;
Then upon the velvet sinking, I betook myself to linking
Fancy unto fancy, thinking what this ominous bird of yore-
What this grim, ungainly, ghastly, gaunt and ominous bird of yore
Meant in croaking "Nevermore."
This I sat engaged in guessing, but no syllable expressing
To the fowl whose fiery eyes now burned into my bosom's core;
This and more I sat divining, with my head at ease reclining
On the cushion's velvet lining that the lamplight gloated o'er,
But whose velvet violet lining with the lamplight gloating o'er,
She shall press, ah, nevermore!
Then methought the air grew denser, perfumed from an unseen censer
Swung by Seraphim whose footfalls tinkled on the tufted floor.
"Wretch," I cried, "thy God hath lent thee- by these angels he hath sent thee
Respite- respite and nepenthe, from thy memories of Lenore!
Quaff, oh quaff this kind nepenthe and forget this lost Lenore!"
Quoth the Raven, "Nevermore."
"Prophet!" said I, "thing of evil!- prophet still, if bird or devil!-
Whether Tempter sent, or whether tempest tossed thee here ashore,
Desolate yet all undaunted, on this desert land enchanted-
On this home by horror haunted- tell me truly, I implore-
Is there- is there balm in Gilead?- tell me- tell me, I implore!"
Quoth the Raven, "Nevermore."
"Prophet!" said I, "thing of evil- prophet still, if bird or devil!
By that Heaven that bends above us- by that God we both adore-
Tell this soul with sorrow laden if, within the distant Aidenn,
It shall clasp a sainted maiden whom the angels name Lenore-
Clasp a rare and radiant maiden whom the angels name Lenore."
Quoth the Raven, "Nevermore."
"Be that word our sign in parting, bird or fiend," I shrieked, upstarting-
"Get thee back into the tempest and the Night's Plutonian shore!
Leave no black plume as a token of that lie thy soul hath spoken!
Leave my loneliness unbroken!- quit the bust above my door!
Take thy beak from out my heart, and take thy form from off my door!"
Quoth the Raven, "Nevermore."
And the Raven, never flitting, still is sitting, still is sitting
On the pallid bust of Pallas just above my chamber door;
And his eyes have all the seeming of a demon's that is dreaming,
And the lamplight o'er him streaming throws his shadow on the floor;
And my soul from out that shadow that lies floating on the floor
Shall be lifted- nevermore!
http://www.helderdarocha.com.br/literatura/poe/index.html

sábado, abril 17, 2010

COLEÇÃO PORTINARI NA PINACOTECA DO ESTADO DE SÃO PAULO



SÍNTESE BIOGRÁFICA

Candido Portinari nasce no dia 30 de dezembro de 1903, numa fazenda de café, em Brodósqui, no interior do Estado de São Paulo.Filho de imigrantes italianos, de origem humilde, recebe apenas a instrução primária e desde criança manifesta sua vocação artística.

Aos quinze anos de idade vai para o Rio de Janeiro, em busca de um aprendizado mais sistemático em pintura, matriculando-se na Escola Nacional de Belas-Artes.

Em 1928 conquista o Prêmio de Viagem ao Estrangeiro, da Exposição Geral de Belas-Artes, de tradição acadêmica. Parte em 1929 para Paris, onde permanece até 1930.Longe de sua pátria, saudoso de sua gente, decide ao voltar ao Brasil, no início de 1931, retratar em suas telas o povo brasileiro, superando aos poucos sua formação acadêmica e fundindo à ciência antiga da pintura, uma personalidade moderna e experimentalista.

Em 1935 obtém a segunda Menção Honrosa na exposição internacional do Instituto Carnegie de Pittsburgh, Estados Unidos, com a tela Café, que retrata uma cena de colheita típica de sua região de origem.

Aos poucos, sua inclinação muralista revela-se com vigor nos painéis executados para o Monumento Rodoviário, na Via Presidente Dutra, em 1936, e nos afrescos do recém construído edifício do Ministério da Educação e Saúde, no Rio de Janeiro, realizados entre 1936 e 1944. Estes trabalhos, como conjunto e como concepção artística, representam um marco na evolução da arte de Portinari, afirmando a opção pela temática social, que será o fio condutor de toda a sua obra a partir de então.

Companheiro de poetas, escritores, jornalistas, diplomatas, Portinari participa de uma notável mudança na atitude estética e na cultura do país. No final da década de trinta consolida-se a projeção de Portinari nos Estados Unidos.

Em 1939 executa três grandes painéis para o Pavilhão do Brasil na Feira Mundial de Nova York e o Museu de Arte Moderna de Nova York adquire sua tela Morro. Em 1940, participa de uma mostra de arte latino-americana no Riverside Museum de Nova York e expõe individualmente no Instituto de Artes de Detroit e no Museu de Arte Moderna de Nova York, com grande sucesso de crítica, venda e público. Em dezembro deste ano a Universidade de Chicago publica o primeiro livro sobre o pintor: Portinari, His Life and Art com introdução de Rockwell Kent e inúmeras reproduções de suas obras.

Em 1941 executa quatro grandes murais na Fundação Hispânica da Biblioteca do Congresso, em Washington, com temas referentes à história latino-americana. De volta ao Brasil, realiza em 1943, oito painéis conhecidos como Série Bíblica, fortemente influenciado pela visão picassiana de 'Guernica' e sob o impacto da Segunda Guerra Mundial.

Em 1944, a convite do arquiteto Oscar Niemeyer, inicia as obras de decoração do conjunto arquitetônico da Pampulha em Belo Horizonte, Minas Gerais, destacando-se na Igreja de São Francisco de Assis, o mural São Francisco (do altar) e a Via Sacra, além dos diversos painéis de azulejo. A escalada do nazi-fascismo e os horrores da guerra reforçam o caráter social e trágico de sua obra, levando-o à produção das séries Retirantes (1944) e Meninos de Brodósqui (1946), assim como à militância política, filiando-se ao Partido Comunista Brasileiro, sendo candidato a deputado em 1945, e a senador em 1947.

Em 1946, Portinari volta a Paris para realizar, na Galeria Charpentier, a primeira exposição em solo europeu. Foi grande a repercussão, tendo sido agraciado, pelo governo francês, com a Legião de Honra.

Em 1947 expõe no Salão Peuser, de Buenos Aires e nos salões da Comissão Nacional de Belas Artes, de Montevidéu, recebendo grandes homenagens por parte de artistas, intelectuais e autoridades dos dois países. O final da década de quarenta assinala na obra do artista, o início da exploração dos temas históricos através da afirmação do muralismo.

Em 1948, Portinari se auto-exila no Uruguai, por motivos políticos, onde pinta o painel A Primeira Missa no Brasil, encomendado pelo Banco Boavista do Rio de Janeiro.

Em 1949 executa o grande painel Tiradentes, narrando episódios do julgamento e execução do herói brasileiro, que lutou contra o domínio colonial português. Por este trabalho, Portinari recebeu, em 1950, a Medalha de Ouro concedida pelo júri do Prêmio Internacional da Paz, reunido em Varsóvia.

Em 1952, atendendo à encomenda do Banco da Bahia, realiza outro painel com temática histórica: A Chegada da Família Real Portuguesa à Bahia, e inicia os estudos para os painéis Guerra e Paz, oferecidos pelo governo brasileiro à nova sede da Organização das Nações Unidas. Concluídos em 1956, os painéis, medindo cerca de 14 x 10m cada 'os maiores pintados por Portinari' encontram-se no hall de entrada dos delegados do edifício-sede da ONU, em Nova York.

Em 1954, Portinari realiza, para o Banco Português do Brasil, o painel Descobrimento do Brasil. Neste mesmo ano, tem os primeiros sintomas de intoxicação das tintas, que lhe será fatal. Em 1955 recebe a Medalha de Ouro, concedida pelo International Fine Arts Council de Nova York, como o melhor pintor do ano.

Em 1956 faz os desenhos da Série D. Quixote e viaja para Israel, a convite do governo daquele país, expondo em vários museus e executando desenhos inspirados no contato com o recém-criado estado israelense e expostos posteriormente em Bolonha, Lima, Buenos Aires e Rio de Janeiro. Neste mesmo ano recebe o Prêmio Guggenheim do Brasil e, em 1957, a Menção Honrosa no Concurso Internacional de Aquarelas do Hallmark Art Award, de Nova York.

No final da década de 50 Portinari realiza diversas exposições internacionais, expondo em Paris e Munique em 1957. é o único artista brasileiro a participar da exposição '50 Anos de Arte Moderna', no Palais des Beaux Arts, em Bruxelas, em 1958, e expõe como convidado de honra, em sala especial, na 'I Bienal de Artes Plásticas' da Cidade do México.

Em 1959 expõe na Galeria Wildenstein de Nova York e em 1960 organiza importante exposição na Tchecoslováquia.

Em 1961 o pintor tem diversas recaídas da doença que o atacara em 1954 - a intoxicação pelas tintas -, entretanto, lança-se ao trabalho para preparar uma grande exposição, com cerca de 200 obras, a convite da Prefeitura de Milão.

Candido Portinari falece no dia 6 de fevereiro de 1962, vítima de intoxicação pelas tintas que utilizava

FONTE: http://www.portinari.org.br/ppsite/ppacervo/s_biogra.htm

GRETA GARBO - UM MITO



Frases sobre Garbo

Mario Quintana: "Dois versos para Greta Garbo"

O teu sorriso é imemorial como as Pirâmides E puro como a flor que abriu na manhã de hoje... (In: Apontamentos De História Sobrenatural)

Alastair Forbes: "A escandinava mais melancólica desde Hamlet."

Anônimo: "Greta é como a Mona Lisa - uma das grandes coisas da vida. E tão distante quanto".

Barry Paris (1948-), jornalista e biógrafo: "A Mulher do Século - que passou metade dele tentando se esconder".

Bette Davis (1908-1989), atriz: "Seu instinto, seu domínio sobre a máquina, era pura feitiçaria. Não posso analisar a interpretação dessa mulher. Sei apenas que ninguém trabalhou com tanta perfeição frente à câmera."

Cecil Beaton, fotógrafo: "Uma mulher com a inocência charmosa de uma criança".

Clarence Sinclair Bull, fotógrafo: "O rosto dela foi o de maior inspiração que já fotografei".

David Robinson (1930-), historiador de cinema: "Com Garbo, você toma menos consciência da atriz e mais da alma exposta à vida e à humanidade. A profundidade e a intensidade de sua interpretação transformavam tudo em que atuava. Ela fez dez filmes mudos em Hollywood: se a princípio não eram romancinhos açucarados, acabavam assim depois que o departamento de roteiros da Metro botava a mão... Mas Garbo emprestou-lhes um pouco de sua própria divindade".

Georg Wilhelm Pabst, cineasta: "Um rosto assim só se vê uma vez num século".

James Card, curador: "É a maior que já houve e que jamais haverá no cinema."

Kenneth Tynan (1927-1980), escritor e crítico de teatro: "Exceto fisicamente, sabemos tanto de Garbo quanto de Shakespeare".

Marlene Dietrich (1901-1992), atriz e cantora: "Invejo Garbo. O mistério é o maior charme de uma mulher. Gostaria de poder ser tão misteriosa quanto ela. Não quero que as pessoas saibam tudo sobre mim! Garbo nunca dá entrevistas. Adoraria fazer o mesmo."

Marie Dressler (1868-1934), atriz: "Garbo é solitária. Sempre foi e sempre será. Vive no âmago de uma vasta e dolorosa solidão".

Mercedes de Acosta, poetisa e roteirista: "Eu a via acima de mim, face e corpo recortados contra o céu, como fusão gloriosa de deus e deusa, radiante, elemental".

Otis Ferguson (1907-1943), crítico de cinema: "O fenômeno dramático do nosso tempo. Assistindo a ela, percebe-se que isso é maior do que as palavras; é a coisa mais absolutamente bela de uma geração".

Silvia Renate Sommerlath (1943-), rainha da Suécia: "Ela é mágica!"

Sinclair Lewis (1885-1951), escritor: "Digo que não há mistério algum, exceto uma mulher ser tão fillums por tanto tempo sem 'virar hollywoodiana'. Conheci muitos atores e atrizes no meu trabalho. Aluguei e vendi casas para uns, tive de executar hipotecas de outros. Ela é a única normal. O resto faz as melhores interpretações nos restaurantes da moda, na praia, no Hollywood Boulevard, na igreja. Garbo é a única atriz que só representa na tela".
 
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Greta_Garbo

quinta-feira, abril 15, 2010

Foco no Cliente: Satisfação em ter Clientes Felizes

Maria Odete Rabaglio

Entrevista concedida à Cecresp para Jornal Interno

1. Quais são as dicas básicas para um atendimento bem sucedido?

Uma dica importantíssima é ter FOCO NO CLIENTE, isto é estar comprometido com o resultado e o sucesso do cliente, se comportando como se fosse um Consultor do Cliente, aquele que tem prazer em levar solução para os problemas do cliente.

Outra dica importante é o relacionamento com o cliente, tendo a percepção de que tipo de cliente tem à sua frente e buscando a forma mais eficaz de se comunicar considerando as características principais daquele cliente. Cada ser humano é único e gosta de ser tratado como tal. O marketing de relacionamento é um diferencial que encanta o Cliente.

2. Dá para se classificar os tipos de cliente? Como?

Existem alguns autores que não gostam de nenhuma classificação, pois acreditam que isso rotula ou discrimina as pessoas e elas passam a ser vistas como se fossem apenas aquele tipo específico, outros acreditam que fazendo algum tipo de classificação estão fornecendo sua contribuição didática para facilitar o relacionamento e a qualidade da comunicação e do atendimento à satisfação do Cliente. Baseada na segunda hipótese vou relacionar alguns tipos de cliente e a melhor forma de relacionamento com eles:

EMOTIVO: São aquelas pessoas muito sensíveis, carentes emocionalmente, sentimentais, que tentam envolver e tomar muito tempo de quem está atendendo.

* Elas esperam um relacionamento afetivo, com dose fortalecida de empatia, ser chamada pelo nome repetidas vezes, cruzamento de olhares compreensivos e a certeza de que o sentimento foi compreendido junto com a garantia da solução para o seu problema.

RACIONAL: São aquelas pessoas que argumentam com critérios fortemente racionais, dados da realidade, objetividade, apresentam fatos, detalhes.

* Com essas pessoas é necessário conhecer todos os detalhes sobres suas necessidades, agilidade, raciocínio rápido e evitar as palavras: eu acho... que... eu acredito, é possível que..., não tenho certeza..., etc. Todos os argumentos devem ser claros, objetivos, concretos, rápidos e ao mesmo tempo detalhados, sem deixar sombra de dúvida, passando o máximo de conhecimento e credibilidade.

FALADOR: Fala demais e se perde nos assuntos, é prolixo e vai procurar obter o máximo da atenção e do tempo de quem o atende.

* Com o falador devemos evitar embarcar nas suas “viagens”, dar toda atenção, cortesia, e solução, porém administrando o tempo e os argumentos dele. Como se faz com que uma pessoa que está contando uma história interminável seja interrompida com cortesia e técnica? A resposta é simples, fazendo uma pergunta fechada, que exige uma resposta curta, mudando a atenção do cliente o que possibilita a quem atende retomar o controle da relação e encaminhar a solução com objetividade, atenção, cortesia, etc.

CALADO: São pessoas mais introvertidas, com dificuldades de comunicação e expressão verbal, que têm medo de expor, apenas resmungam e falam monossílabos.

* Com este estilo, devemos fazer muitas perguntas abertas, perguntas que obrigam a uma resposta e a expor seu ponto de vista, sempre que possível dando feedbacks positivos, olhares de atenção e aprovação, passando segurança para que ele se sinta encorajado e fortalecido na sua argumentação.

INOVADOR: Este cliente, é aquele que acredita que o atendente tem obrigação de saber tudo e fornecer informações a respeito de coisas que nada tem a ver com o atendimento que fornece, esperando encontrar sempre uma fonte de novidades.

* Com este cliente, dê destaque ao assunto que você domina, sobre seu produto, serviço ou atendimento e deixe claro que sobre sua área você pode fornecer muitas informações preciosas, mas, que não é uma fonte para tudo que ele precisa, outras pessoas poderão ter as novidades que ele busca, sempre com cortesia, solicitude, empatia.

FORMAL: São pessoas muitas presas a formalidades, etiquetas, com fortes preconceitos morais.

* Com essas pessoas, a atitude mais assertiva é a atenção com a linguagem, tom de voz, velocidade da voz, elegância ao falar e na gesticulação, escolha de palavras que estão dentro do interesse do cliente, objetividade.

Aí estão alguns tipos de Cliente, existem outros que poderemos falar numa próxima entrevista, mas o fundamental é perceber a importância da Percepção do Cliente, do foco no cliente, para reconhecer cada tipo e encontrar a forma mais correta de se relacionar com ele. Procurar conhecer o ser humano todos os dias um pouquinho mais é uma receita infalível.

3. Qual o melhor procedimento para o atendimento a um cliente explosivo?

O melhor procedimento:

* Ser racional

* Permitir que ele fale bastante até extravasar parte da sua tensão

* Fazer algumas perguntas abertas e ouvir com atenção

* Repetir um resumo do que o cliente disse demonstrando sua total atenção e compromisso na busca da solução

* Não se alterar com as ofensas e agressividade do cliente

 * Compreender que aquele desequilíbrio é do cliente e você não deve se envolver emocionalmente com o desequilíbrio dele

* Ter consciência de que agressividade dele é fruto de um desequilíbrio dele ou de uma frustração com produto, serviço ou atendimento que ele teve e não com você, e que você é o representante da empresa para ele, portanto é sobre você que ele descarrega sua insatisfação

* Ter foco na solução e não no problema que ele apresenta. Enquanto o foco do cliente está no problema, o seu estará em apresentar soluções eficazes.

4. O que faz ser um bom atendente?

O bom atendente:

* Tem em mente que atende pessoas, seres humanos que como ele próprio, tem razão e emoção, alguns dias estão mais equilibrados emocionalmente e outros não;

* Entende que o relacionamento com o cliente poderá fazer a diferença, melhorando o dia e o bem estar de cada pessoa atendida;

* Reconhece sentimentos e emoções no outro e interage positivamente com esses sentimentos e emoções, de ser humano para ser humano;

* Entende que se colocar no lugar do outro, não é apenas trocar de lugar com ele, mas perceber sob o ponto de vista, emoções, sentimentos e interesses, percepções e motivações dele, e oferece o atendimento que gostaria de receber se fosse ele e estivesse na situação dele.

* Tem preocupação constante em melhorar a eficácia na comunicação interpessoal.

* Tem respeito pelo ser humano, comportamento ético, imparcialidade e toma muito cuidado com a contaminação dos preconceitos, pressupostos, rótulos e discriminações na interação com as pessoas.

Maria Odete Rabaglio Consultora em Treinamento e Autora do livro Seleção por Competências.

domingo, abril 11, 2010

ANOTAÇÕES: "O INCESTO UM DESEJO" 1ª parte

A partir da leitura do livro "O INCESTO UM DESEJO, Cláudio Cohen, Casa do Psicólogo, 1993, apreendi as informações anotadas e excertos do texto que gostaria de compartilhar...


Segundo Cohen (1993), a proibição do incesto é um fator estruturante da psique individual, e tem por finalidade a organização da vida afetiva e cognitiva, permitindo a integração do individuo na cultura e na sociedade. (p.8)

O QUE É O INCESTO?

De acordo com o autor, para compreender o que é incesto é importante entender o que é a família, pois o incesto é literalmente um assunto de família.

Família é um tipo de agrupamento social, cujos membros estão vinculados por laços de parentesco. É um grupo biológico e fundamentalmente uma instituição social, inscrita em um universo ideológico. Ela é a célula do tecido social.

Dupuis (1989) apud Cohen (1993) afirma que as sociedades humanas do quarto e quinto milênios antes de Cristo, já haviam descoberto a relação entre o ato sexual e a procriação. "O conhecimento do principio de procriação não é um dado imediato da consciência, mas resulta de uma situação experimental". (p. 5).

Para o autor, o conhecimento da origem da paternidade propagou-se pelo mundo a partir do período neolítico. Antes se conheciam estruturas protofamiliares centradas nas mães, as estruturas matriarcais, caracterizadas por uma vida sexual dominada pelo principio do prazer, pela livre satisfação do desejo sem nenhum tipo de repressão. "Com o reconhecimento do pai, estabeleceram-se novos conceitos de família, onde a satisfação do desejo ficou vinculado ao principio de realidade."

A palavra “incesto” deriva do latim incestus, que significa impuro, manchado, não casto, ou seja, in= não e castus=puro (Dicionario etimológico italiano, p.149)

Segundo o autor, na historia da humanidade observa-se que algumas sociedades permitiam que seus membros mais ilustres transgredissem esse tabu. “No antigo Egito as uniões incestuosas entre irmãos eram impostas aos faraós em homenagem ao mito dos deuses Ísis e Osíris. Durou até a dinastia dos Ptolomeus (Cleópatra casou-se com seu irmão Ptolomeu XII). Os reis peruanos, da época pré-colombiana também casavam-e com suas irmãs em homenagem ao Sol e à Lua, de forma a perpetuar a santidade da dinastia.”

A mitologia nos ensina que o incesto, diante do qual, supostamente tanto se horrorizam os seres humanos, era concedido sem nenhum reparo aos deuses; pela história antiga podemos averiguar que o matrimônio incestuoso com a irmã era um preceito sagrado para a pessoa do governante. O ato incestuoso torna-se então um privilégio que é negado aos homens comuns”. (Freud, S; v. XVI, p. 305). Freud citado por Cohen, postula que o complexo de Édipo é a peça fundamental na compreensão da neurose.

Cohen aponta que nas concepções grega, judaica e católica por imperativos filosóficos e religiosos o incesto foi condenado e estigmatizado como um crime repulsivo à consciência. Também aponta para a dificuldade da existência de diversas interpretações quanto à definição do que seja um comportamento incestuoso, e o fato de que, devido à complexidade do tema, nenhuma delas se mostra totalmente satisfatória. Ainda complementa que “muitas legislações modernas, como por exemplo as do Brasil, Peru, Espanha, França, Bélgica, Portugal não consideram o incesto como um crime autônomo, mas apenas uma circunstância agravante de algum outro crime sexual, enquanto outras legislações como as da Alemanha, Suíça, Itália, México, Uruguai, Cuba as consideram como um crime.” (Enciclopédia jurídica OMEBA tomo XV p 369).

Algumas definições que confirmam diferentes concepções de incesto:

“1 – O incesto é a união carnal ilícita entre pessoas de sexos diferentes, ligadas por vínculo de parentesco ou afinidade e que constitui um dos impedimentos ao matrimônio (Grande enciclopédia portuguesa e brasileira); 2 – O incesto é a união sexual ilícita entre parentes consangüíneos, afins ou adotivos. (Novo Dicionário Aurélio da língua portuguesa); 3 – O incesto é o pecado carnal entre consangüíneos ou afins, os quais, segundo a lei natural e eclesiástica, não podem contrair matrimônio válido. (Enciclopédia católica Itália). 6- O incesto é a violação do tabu que pesa sobre as relações sexuais entre os membros da “família nuclear”, excluídos marido e mulher, isto é, entre pais e filhos ou entre irmãos. O tabu pode estender-se a outros parentes e graus de parentesco, cujos vínculos podem ser de afinidade ou biológico. (Enciclopédia internacional das ciências sociais).(p. 17-18). O autor apresenta em seu livro uma análise dos conflitos inerentes ao incesto a partir do ângulo da psicopatologia forense.

quarta-feira, abril 07, 2010

AMOR



Porque Eu Sei Que É Amor


Titãs -  Composição: Sérgio Britto e Paulo Miklos

Porque eu sei que é amor
Eu não peço nada em troca
Porque eu sei que é amor
Eu não peço nenhuma prova

Mesmo que você não esteja aqui
O amor está aqui
Agora
Mesmo que você tenha que partir
O amor não há de ir
Embora
Eu sei que é pra sempre
Enquanto durar
E eu peço somente
O que eu puder dar

Porque eu sei que é amor
Sei que cada palavra importa
Porque eu sei que é amor
Sei que só há uma resposta
Mesmo sem porquê eu te trago aqui
O amor está aqui
Comigo
Mesmo sem porquê eu te levo assim
O amor está em mim
Mais vivo


Porque eu sei que é amor


E os estilos de amor!...


"Relacionar-se de maneira romântica é um componente da vida de quase todas as pessoas e de todas as formas de cultura espalhadas pelo mundo. Os fenômenos de natureza romântica são também assunto de diversos livros de auto-ajuda, literatura e filmes, e longe do papel de destaque nos meios midiáticos, os relacionamentos desta natureza ocupam um papel relevante na constituição dos relacionamentos interpessoais, no desenvolvimento dos indivíduos e proporcionam alguns dos sentimentos mais intensos e almejados no curso da vida de um ser humano adulto. O amor, do ponto de vista científico, configura-se como um objeto de grande interesse entre os psicólogos e pesquisadores sociais, e nas últimas décadas tem se tornado um tema de forte interesse no campo de estudos da ciência psicológica (Hendrick & Hendrick, 1988; Sternberg; Weis, 2006; Mosmann, Wagner & Feres Carneiro, 2006; Wachelke, De Andrade, Souza & Cruz, 2007, Cassepp-Borges & Teodoro, 2007)." p. 3

"Considerados no âmbito de uma teoria psicológica dos relacionamentos amorosos, os estilos de amor são entendidos diretamente como o componente cognitivo individual do fenômeno amoroso (De Andrade, Sáchez-Áragon & Wachelke, 2007). A partir desta premissa é possível afirmar que cada pessoa ao responder a escala, gera um perfil no conjunto dos seis estilos mensurados pela LAS. Os estilos de amor são independentes uns dos outros, sendo que o indivíduo pode alterar seu perfil pessoal com tempo e segundo o momento da vida ou tipo de relacionamento que possui (Hendrick & Hendrick, 2006).  As escalas de estilo de amor mensuram seis construtos caracterizados da seguinte maneira:

1. Eros: estilo de amor erótico, marcado por intensa emocionalidade e valorização de atributos de ordem física e sexual na interação conjugal.

2. Ludus: tipo de amor manipulativo, marcado por jogos entre parceiros. O indivíduo que possui um estilo de amor predominante em Ludus interage dentro do relacionamento de maneira mais descomprometida, faz da interação conjugal um “jogo”.

3. Storge: caracterizado por um estilo de relacionamento mais amigável e companheiro.  As pessoas que carregam forte nesta dimensão atribuem a seus parceiros fortes representações de amizade.

4. Pragma: o indivíduo característico deste estilo opera mais no nível racional do que no emocional, possui um estilo de relacionamento mais lógico e calculista.

5. Mania: estilo de amor de maior intensidade. As pessoas que carregam elevadas pontuações nestas dimensões vivem a experiência romântica de maneira muito intensa, possessiva e irreal. É um amor considerado imaturo e não saudável.

6. Agape: é o estilo amoroso altruístico, muito raro de ser manifestado individualmente, é um amor caracterizado pela doação excessiva pelo companheiro de relacionamento." p. 5

Excertos extraídos do artigo De Andrade, A.L. & Garcia, A (no prelo). Atitudes e crenças sobre o amor: versão brasileira da Escala de Estilos de Amor.  Interpersona.  http://ufes.academia.edu/documents/0025/7275/deandrlove.pdf

É PRECISO TRABALHAR MELHOR

Por Roberto Shinyashiki

O sucesso é consequência de um trabalho especial. Se você faz o que todo mundo faz, chega aonde todos chegam. Se você quer chegar a um lugar aonde a maioria não chega, precisa fazer algo que a maioria não faz.

Muitas pessoas ainda têm a idéia equivocada de que todos os problemas profissionais ou financeiros se resolvem com mais trabalho.

Mas, lembre-se: se você estiver na estrada errada, aumentar a velocidade só o levará mais rapidamente para longe do seu destino.

Trabalhar mais é bom, mas o importante mesmo é trabalhar melhor.

O que significa isso? Significa trabalhar de forma diferente, com a visão do todo e, frequentemente, deixar de fazer coisas que não dão o resultado desejado.

Penso, por exemplo, naquele novo empresário que criou o seu negócio graças à sua experiência de vendas. Ele dará ênfase especial à equipe de vendas, é óbvio. Mas, se passar a enfrentar uma concorrência dura e sua margem de lucro começar a diminuir, um belo dia ele perceberá que está tendo prejuízo.

Como sua paixão são as vendas, contratará mais vendedores e investirá na equipe. O prejuízo continuará crescendo. Cada vez mais faltará dinheiro para pagar as contas. Ele fará um empréstimo bancário. E continuará insistindo: é preciso vender mais! Os vendedores aumentarão os descontos, mas as vendas diminuirão ainda mais. Resultado? Falência.

Em vez de continuar investindo em vendas, esse empresário deveria ter analisado de maneira mais integral o seu negócio, entendendo o mercado e fazendo mudanças mais amplas no modo de trabalhar. Provavelmente o problema não estava no setor de vendas, mas em outra área da empresa, ou mesmo no encaminhamento global dos negócios.

Trabalhar melhor geralmente significa mudar o que se faz. O agricultor que trabalha na enxada de sol a sol e não consegue uma boa colheita não vai resolver seus problemas trabalhando mais algumas horas por dia. Resolverá seus problemas procurando conhecer mais o solo para adubá-lo melhor, utilizando sementes melhores e alugando ou comprando um trator para não ter de voltar à enxada. Às vezes fazer mais do que se faz pode levar à falência ainda mais rápido.

O mesmo processo ocorre com muitos estudantes que não têm método, não prestam atenção na aula, estudam ouvindo música no walkman, deitados... Quando criam um método – que quase sempre se baseia em participar mais das aulas e ter disciplina na hora de estudar – conseguem melhores resultados com menos tempo de estudo. A solução não é exatamente estudar mais, mas estudar melhor para aprender mais.

O sucesso é consequência de um trabalho especial. Se você faz o que todo mundo faz, chega aonde todos chegam. Se você quer chegar a um lugar aonde a maioria não chega, precisa fazer algo que a maioria não faz.

Ser um profissional especial é ser aquele que consegue definir o jogo a favor de seu time. Aquele que tem a marca registrada de seu trabalho.

Existem habilidades que garantem sua presença na partida e competências que o transformam numa pessoa especial. Isso é semelhante ao que acontece na vida de um atleta. Preparo físico, garra e estado de alerta auxiliam um jogador a participar da partida, mas não são suficientes para levá-lo ao pódio. Quando um time ganha um título, percebe-se que os campeões têm características fora do comum, que determinam o sucesso de sua trajetória.

Se somente a garra definisse o resultado de uma partida, os times uruguaios seriam vencedores de todos os campeonatos que disputam. Infelizmente – para eles, é claro –, a garra tem de ser acompanhada de habilidades que garantam a vitória.

Sem dedicação, um profissional dificilmente terá emprego. Por outro lado, se só tiver garra, vai ficar patinando na carreira. No mundo moderno, trabalhar muito não é bastante para criar o diferencial que um vencedor precisa. Já não se trata de uma questão de apenas vestir e suar a camisa da empresa.

Lembre-se disto: se você que ter sucesso, muito mais do que trabalhar mais, é preciso trabalhar melhor.

Um grande abraço,

Roberto Shinyashiki

http://shinyashiki.uol.com.br/index.php/artigos-detalhe/94/E-preciso-trabalhar-melhor

CRIE RELACIONAMENTOS SAUDÁVEIS

Por Roberto Shinyashiki

Precisamos resgatar a beleza da generosidade com pontos de vista divergentes e ter a curiosidade de conhecer uma forma de pensar diferente da nossa.

Conviver não é um ato facultativo em nossas vidas. É vital, seja no ambiente familiar, seja no profissional. Um trabalhador nunca pede demissão da empresa, e sim de seu chefe. A maneira como um líder se relaciona com as pessoas define sua qualidade como profissional e também como ser humano.

O líder precisa se relacionar, seja na sociedade, no trabalho, na família, no relacionamento amoroso! Mesmo que seu ritmo de trabalho seja intenso, é muito importante conversar com as pessoas do seu dia-a-dia. É uma forma saudável de mostrar a todos que os valoriza e também de saber como suas vidas e projetos estão andando.

Conviver é permitir que todos tenham chance de participar da criação dos resultados e se sintam respeitados.

Líderes que não sabem se relacionar são fontes de tensão. Precisamos criar um ambiente saudável. A maioria das empresas e das famílias vive poluída de ressentimento, culpa e insegurança. É nosso dever lutar para que a compreensão e a cooperação imperem no trabalho e em casa.

Precisamos resgatar a beleza da generosidade com pontos de vista divergentes e ter a curiosidade de conhecer uma forma de pensar diferente da nossa. Essas virtudes criam a beleza de nossa passagem por este planeta azul.

Vejamos, então, algumas sugestões de como desenvolver ótimos relacionamentos, dignos de um líder pra valer.

1. Conversar. O casal até conversa sobre decoração, mas quase nada sobre o lar que deseja construir. Os pais orientam os filhos, mas poucos perguntam sobre seus sonhos. Os filhos costumam reclamar que os pais não entendem o que eles dizem, mas não se dispõe ao diálogo. Nas empresas, discutem-se projetos, mas não se abrem espaços para que anseios sejam compartilhados.

Precisamos deixar nossa imaginação voar com um companheiro. Criar tempo para conhecer o outro é fazê-lo entrar em nosso mundo. Conversar, antes de mais nada, é ter curiosidade sobre o mundo do outro, é olhar essa pessoa com os olhos do novo.

2. Confrontar. Acontecimentos desagradáveis ou sem interesse fazem parte de nossa vida. No entanto, é fundamental dizer às pessoas, de maneira direta, firme e clara, quando uma atitude incomoda. Quando não expressamos nosso desagrado, corremos o risco de nos afastar, negando ao outro a oportunidade de nos conhecer.

Aí vai uma sugestão: é fundamental resolver uma questão antes de se iniciar outra. Em geral, a pessoa confrontada põe na mesa outro tema que a incomoda. Mas insista e se comprometa em conversar sobre a insatisfação dele depois. Lembre-se de que cabe à pessoa confrontada a decisão de mudar ou não. Aí, é sua opção continuar ou não com esse relacionamento.

3. Pedir desculpas. Do mesmo modo que é impossível viver sem que alguém pise em nosso calo, é difícil passar pelas pessoas sem cometer algum erro ou sem incomodá-las. No entanto, quando negamos um erro, agravamos a situação.

Reconhecer o próprio erro e pedir desculpas são demonstrações de humildade e de valorização do outro. É ter consciência do mal-estar gerado pela conduta inadequada e assumir o compromisso de agir diferente da próxima vez. É dizer “Você é importante para mim” de forma sensível.

4. Elogiar. Todo mundo tem necessidade de ser reconhecido, de saber que provoca admiração. A imagem que as pessoas fazem de si mesmas se reflete na forma como elas arriscam na vida. Um colaborador precisa saber que é importante para sua equipe, de maneira a ousar sempre mais.

Quando as pessoas se consideram valorizadas e capazes, as mudanças ficam mais fáceis. E ao elogiar alguém, além de demonstrar suas virtudes, você revela que reconhece um bom profissional. Infelizmente, a maior parte das pessoas acredita que, para ajudar alguém a crescer, é preciso criticar os erros dos outros. As dicas são importantes, mas elogiar é essencial. Revelar admiração pelas pessoas só enriquece os relacionamentos.

5. Agradecer. Na Índia, alguns mestres dizem que a pessoa iluminada vive em estado de gratidão. Quando se agradece a alguém, reconhece-se a comunhão entre duas pessoas e cria-se a energia que fará a celebração se repetir.

Agradecer é a melhor maneira de aumentar a comunhão com as pessoas que são importantes para você. Mas agradeça também ao seu concorrente, que não deixa você se acomodar. Agradeça àquele comprador difícil, que obriga você a crescer para conquistá-lo. Agradeça aos problemas que o tornam um guerreiro preparado para campeonatos mais difíceis.

6. Pedir ajuda. Todos os seres humanos passam por momentos de fragilidade, insegurança e confusão. Quando isso acontece, há três reações prováveis. Isolar-se, para que os outros não descubram a necessidade de ajuda. Manipular, a fim de que os outros prestem ajuda por se sentirem pressionados pelo medo ou pelo sentimento de culpa. E, a mais indicada, pedir ajuda.

Somente as pessoas com elevada auto-estima são revelam fragilidades e mostram que confiam no outro. Pedir ajuda valoriza os conhecimentos do parceiro, mostrando que suas opiniões e idéias são importantes. E, quando todos se sentem aptos e importantes, a equipe fica mais forte!


Roberto Shinyashiki é psiquiatra, palestrante e autor de 13 títulos, entre eles: Os Segredos dos Campeões, Tudo ou Nada, Heróis de Verdade, Amar Pode Dar Certo, O Sucesso é Ser Feliz e A Carícia Essencial (www.clubedoscampeoes.com.br)
http://shinyashiki.uol.com.br/index.php/artigos-detalhe/54/crie-relacionamentos-saudAveis




segunda-feira, abril 05, 2010

OS SETE PECADOS CAPITAIS DE COMUNICAÇÃO NO AMBIENTE DE TRABALHO

Conheça os sete pecados capitais de comunicação no ambiente de trabalho Reinaldo Passadori


As empresas atualmente têm muitos desafios, ainda mais em um momento de mudanças de cenários tão significativos e vertiginosos. Um desses desafios é ter seus colaboradores devidamente preparados e capacitados em uma das principais competências do profissional moderno - a comunicação, notadamente a comunicação verbal. O papel do colaborador é justamente participar do "time" e se relacionar com os outros na empresa. E ele precisa saber como, afinal, manter uma relação de convivência diária com seus colegas de trabalho, já que um bom relacionamento interno é um fator estratégico para seu sucesso profissional e para o sucesso da empresa. Conhecer a si mesmo é a primeira etapa de uma vida equilibrada, e por consequência, de uma comunicação eficiente. É preciso fazer uma reflexão profunda de como é a nossa interação com o mundo e conosco: a forma de interpretar fatos, de compreender o próximo, de adquirir o conhecimento, de tratar as pessoas.Pensando no processo de comunicação, quando falamos, achamos que o outro está recebendo a nossa mensagem sem interpretação pessoal; entretanto, esquecemos que o nosso interlocutor adiciona significados. Ele reelabora o que apresentamos, baseado nas suas experiências e referências. Além das palavras, usamos a linguagem não verbal, gestos e expressões para transmitir sentimentos, ideias, intuições, valores e crenças pessoais. Nossa comunicação verbal e não verbal é a representação do nosso mundo interior interagindo com o exterior, que se confronta com a representação do mundo do nosso interlocutor.No contexto de uma empresa, cada pessoa precisa avaliar seu relacionamento com os funcionários de diferentes setores da companhia: saber lidar com a gerência, a diretoria e os mais diversos departamentos, muitas vezes envolvendo fornecedores e parceiros. Ser um profissional proativo, comunicativo e perspicaz vai ajudar a evitar os sete pecados capitais ao se comunicar no trabalho. Eles foram inspirados nos sete pecados capitais e nas suas respectivas contrapartidas, as sete virtudes sagradas. Classificados por São Tomás de Aquino (1225-1274), os mais conhecidos são: gula, luxúria, avareza, ira, inveja, soberba, vaidade, preguiça, mentira, arrogância, calúnia, adultério, roubo, orgulho, ódio.

E se durante a Idade Média o indivíduo era condenado ao cometer uma falha, hoje em dia o ser humano é visto como multidimensional e em constante evolução. Todos cometemos erros, porém, o que não devemos é permanecer neles. Na vida moderna, parte do avanço conquistado vem do aprendizado proporcionado pelas vivências e treinamentos corporativos. Durante a carreira profissional, e no decorrer da vida, é essencial observar quais pecados de comunicação são cometidos e o que fazer para evitá-los:

Apatia

Ela reflete o desconhecimento das características do público-alvo. De nada adianta ter o domínio da forma e do conteúdo se a fala é sem "alma", sem sensibilidade e sem conexão com a audiência. O contrário da apatia é a empatia, a capacidade de se colocar no lugar do outro, compreendendo o seu nível sociocultural, temperamento e momento psicológico. Ser empático é ser generoso com o outro, ao contrário da avareza, o querer tudo para si. Com a voz serena, mas firme, podem-se articular palavras com calma, confiança, polidez e respeitabilidade, tornando a comunicação atraente.

Insegurança

A falta de informação, de conhecimento sobre uma situação ou um tema, pouco ou nenhum conteúdo evidenciam a ausência de assertividade. Pessoas inseguras geralmente se comportam de maneira agressiva, para causar medo e intimidação. Expressam autoridade com rispidez. Essa imposição encobre o receio das suas próprias fragilidades. Ser assertivo é ter autoconhecimento. Quem se conhece verdadeiramente pode se observar "de fora". Possui uma consciência de si tão sensível que pode observar a própria atuação durante as relações interpessoais. Detém o controle de seus atos, seus gestos e suas palavras. A comunicação interpessoal é o reflexo da comunicação intrapessoal. Ao dominar as ações e o discurso, cultiva-se o equilíbrio interior, e certamente os reflexos na comunicação interpessoal serão positivos. Uma pessoa assertiva quer defender seus direitos e ideias e, ao mesmo tempo, procura aceitar os dos demais. Ela é firme, confiante, respeitosa, é, afinal, controlada. Quem mantém um comportamento assertivo é alguém emocionalmente inteligente e maduro e com certeza tem um destino destacado no futuro: o sucesso.

Impaciência

Um dos grandes obstáculos ao aprendizado e à boa convivência. Pouca clareza e nenhuma empatia tornam a comunicação quase uma obrigação em vez de ser uma ação prazerosa e envolvente. Quando se é impaciente, sobra pouco ou quase nada a ensinar e não há espaço para a observação e o intercâmbio de informações. Uma postura sábia requer dar o tempo de maturação necessário aos acontecimentos e também tomar decisões firmes de forma serena, sem atropelos. No contexto corporativo, os profissionais - que são, sobretudo, seres humanos, com todas as suas imperfeições e singularidades intrínsecas - se inserem em uma dinâmica empresarial e têm de lidar com conflitos provocados pelo atrito de suas diferenças. Ninguém é melhor do que ninguém a priori: só é possível avaliar uma proposta ou uma opinião como "a melhor", ou mais adequada, com base no diálogo e na consideração e respeito pelos outros.

Incoerência

Discrepância, falta de lógica, inconsequência. É a diferença entre falar, defender uma ideia, valores ou posição e não seguir os discursos e as ideias apregoados. Durante uma exposição, não encadear os assuntos dando uma sequência pertinente e complementar, defendendo um ponto de vista para em outro momento contradizê-lo. Esse comportamento desperta desconfiança e descrédito, pois as pessoas acreditam que a qualquer momento o incoerente poderá mudar de lado, sem se importar com os desdobramentos das suas atitudes.

Prolixidade

Ser excessivamente longo, cansativo e entediante numa conversa ou texto é um dos maiores pecados da comunicação. Geralmente, o prolixo não reconhece que sua expressão é confusa, cheia de palavras repetidas ou sem um significado importante e que os ouvintes não prestam a atenção justamente pela falta de objetividade. Assim como uma orquestra, uma apresentação ou reunião necessita de um maestro, um profissional que lidere o grupo, alinhe e sintonize os interesses em questão, afine os instrumentos, balize o timing da equipe, amenize ou elimine os ruídos e dissonâncias desnecessárias, potencialize o som dos solistas mais talentosos e interessantes, enfim, dê o ritmo e o tom do que está na "partitura musical".

Ignorância

Falta de conhecimento, sabedoria e instrução sobre determinado tema, ou mesmo acreditar em algo falso, não tendo discernimento. Saber que existe mais conhecimento e profundidade num assunto, porém, não buscar isso. Fazer pouco caso da importância do saber, e agir como se não precisasse do outro. Quando se trata de um líder, os conflitos e as diferenças motivados pela desinformação e ignorância precisam ser encarados e resolvidos, afinal, não se pode simplesmente ignorá-los. Saber lidar com os conflitos e administrar as diferenças, usando uma comunicação equilibrada, pode enriquecer a pluralidade da empresa, ampliando seus horizontes e a sua visão de mundo.

Arrogância

Caracteriza a falta de humildade. Alguém que não deseja ouvir os outros, aprender algo que não saiba ou estar no mesmo nível do seu próximo. A soberba, a altivez, o orgulho exagerado, a vaidade em excesso em relação ao que sabe ou ao sucesso que desfruta completam esse pecado. Segundo o cristianismo, um dos sete pecados capitais é a soberba, que por sua vez inclui a vaidade e a arrogância. Mas ser arrogante pode também significar coragem, o assumir o seu ponto de vista, a personalidade ou a identidade. Contraposta, a humildade é uma das qualidades mais difíceis de exercer. Porém, humilde não significa ser fraco perante a posição que se ocupa. Pode-se nascer com tendências à virtude da humildade, como também trabalhar para adquirir esse comportamento. É saber ouvir, ser firme sem passar por cima do outro, é ser reverente e ter o conhecimento exato do que não se é. É viver sem ilusões. Alegria e paz são os frutos colhidos.

Reinaldo Passadori é presidente e fundador do Instituto Passadori e autor do livro Comunicação essencial - Estratégias eficazes para encantar seus ouvintes, da Editora Gente

Artigo extraído do site: http://revistamelhor.uol.com.br/textos.asp?codigo=12627

sábado, abril 03, 2010

DINÂMICA DE GRUPO - CONCEITOS DA TEORIA DE WILL SCHUTZ

CONCEITOS DA TEORIA DE WILL SCHUTZ CONTEXTUALIZADOS A PARTIR DA ANÁLISE DO FILME “DOZE HOMENS E UMA SENTENÇA”


APRESENTAÇÃO

Este trabalho apresenta os principais conceitos da teoria desenvolvida por Will C. Schutz, contextualizados a partir da análise do filme “Doze Homens e Uma Sentença”.

INTRODUÇÃO


1.TEORIA DAS NECESSIDADES INTERPESSOAIS

Kurt Lewin foi um grande estudioso das dinâmicas de grupos e foi responsável por introduzir o termo “Dinâmica de grupo” no vocabulário da psicologia contemporânea, fornecendo suas hipóteses de trabalho mais válidas e instrumentos de pesquisa e técnicas de aprendizagem mais eficientes. Em uma de suas experiências conclui, que a produtividade de um grupo e sua eficiência estão estreitamente relacionadas, não somente com a competência de seus membros, mas, sobretudo, com a solidariedade de suas relações interpessoais. Will C. Schutz também foi um estudioso das dinâmicas de grupos e com suas pesquisas sistemáticas fez novas experiências sobre este fenômeno estudado por Kurt Lewin.

Schutz destacou as implicações de suas descobertas como a interdependência e a estreita correlação que existe em todo grupo de trabalho entre seu grau de integração e seu nível de criatividade. No entanto, Schutz vai mais além nesse fenômeno e inova com sua teoria das “Necessidades Interpessoais” na formação e desenvolvimento de um grupo. Conceito usado para especificar que a integração dos membros de um grupo acontece quando certas necessidades fundamentais são satisfeitas. Com interpessoais quer dizer que só em grupo e pelo grupo essas necessidades podem ser satisfeitas e fundamentais porque são vivenciadas por todo ser humano em um grupo qualquer.

Aponta 03 necessidades interpessoais:

1 – NECESSIDADE DE INCLUSÃO

2 – NECESSIDADE DE CONTROLE

3 – NECESSIDADE DE AFETO.

Schutz traça um paralelo entre a formação de um grupo e as dimensões que surgem no desenvolvimento infantil. Aponta que inclusão, controle e afeto são aspectos interpessoais dos estágios oral, anal e fálico, pois a necessidade de inclusão que refere a necessidade do vínculo humano e tem como objetivo a sobrevivência, está ligada ao estágio oral que tem a boca como maior estimulação e maior necessidade para a mesma. A necessidade de controle que refere ao poder e responsabilidade está ligada ao estágio anal, período de luta e poder em torno da higiene pessoal, período da primeira barganha e negociação com a retenção das fezes. Por fim, a necessidade de afeto que faz referência aos vínculos emocionais está ligada ao estágio fálico, justamente na situação edípica, onde esses vínculos são elaborados através dos sentimentos de amor, ciúmes rivalidade, etc. Schutz enfatiza então que inclusão, controle e afeto caracterizam todos os níveis de organização social.

1.2.INCLUSÃO

Detalhando os passos das necessidades interpessoais na formação e desenvolvimento de um grupo, vamos encontrar que a necessidade de inclusão é o sentir-se aceito, integrado e valorizado totalmente pelo grupo, além de procurar provas de que não é ignorado, isolado ou rejeitado.

Em todas as três etapas, a maturidade social (o nível de socialização), e a necessidade de inclusão, condicionarão e determinarão atitudes mais ou menos adultas, evoluídas. Logo, os menos socializados nesta fase, comportam-se como membros infantis, com atitudes de dependência ou como membros da fase típica da revolta adolescente com atitudes de contra-dependência, forçando a inclusão. Esta fase refere-se ao significado que cada pessoa pensa ou sente ter para as outras pessoas que compõem o grupo. Assim, aquelas que sentem-se com auto-estima baixa comportam-se de maneiras extremadas e ansiosas, sendo sub-social com atitudes retraídas e afastando-se das pessoas, ou ultra-social com atitudes extrovertidas, não suportando ficar sozinhas.

Os sentimentos inconscientes são iguais tanto no comportamento do sub-social quanto no comportamento do ultra-social, mesmo que manifestos e opostos, a técnica sutil utilizada por ambos é de ser querido e poderoso. Os mais socializados podem participar muito ou pouco numa situação de grupo sem sentir-se ansioso. Tendo atitudes de autonomia e interdependência. Encontram satisfação pelos laços que estabelecem entre os membros do grupo. Para Schutz, somente estes se tornam capazes de dar e receber afeição e estabelecem suas relações em nível autenticamente interpessoal. Os problemas apontados nesta fase de inclusão é o da decisão, ficar dentro ou fora do grupo. As interações de inclusão concentram-se nos encontros e a ansiedade da inclusão é de ser insignificante.

1.3. CONTROLE

A necessidade de controle faz referência ao poder, influência, autoridade, como também definirão para si mesmo suas próprias responsabilidades e as de cada membro um dentro do grupo. Surgem então, questões como o grupo está controlado e por de quem? Quem tem autoridade sobre quem, em que momento e por quê? Respostas a estas perguntas trazem segurança para o indivíduo e vai delineando as estruturas do grupo e da autoridade. Ou seja, não deixa assim que a dinâmica do grupo escape totalmente do seu controle.

A socialização determinará os comportamentos assim como o seu grau.Os menos socializados permanecerão com atitudes infantis e dependentes procurando livrar-se das responsabilidades e passando-as, por exemplo, para aqueles que denominam como mais carismáticos. O desejo de controle varia entre desejo de ser controlado, isentando-se de responsabilidade e o desejo de controlar, que é ter autoridade sobre os outros com objetivo de ter controle sobre o próprio futuro.

O comportamento de controle não implica em destacar-se como na inclusão. Aqui “O poder por trás do trono” é válido. O comportamento de controle está subjacente à competência, ou seja, sentir-se competente ou sentir-se incapaz. Aqueles que se sentem incapazes têm comportamentos extremados e ansiosos com atitudes autocratas ou abdicratas. Os autocratas tentam dominar, sendo fanático pelo poder e sendo competidor. Os de atitudes abdicrata afastam-se de posições de poder e responsabilidades. A sensação latente tanto no autocrata quanto no abdicrata é a mesma, a incapacidade de se desincumbir de obrigações; não ser competente. Aqueles que se sentem capazes, denominados como democrata, que teve o seu problema de controle resolvido na infância, sentem-se confiável, dando ou recebendo. Pensa e quer o controle do grupo em termos de responsabilidades partilhadas. O problema do controle é estar por cima ou por baixo. A interação primária do controle é o confronto devido papéis diversificados e as lutas pelo poder. Competição e a influência passam a ter uma importância central. A ansiedade do controle é de ser incompetente.


1.4.AFETO


A necessidade do afeto é a fase dos vínculos emocionais que refere-se às proximidades pessoais e emocionais entre as pessoas. É a última fase a emergir no desenvolvimento de uma relação humana ou de um grupo. Os indivíduos querem obter provas de serem totalmente valorizados. Desejam ser percebidos como insubstituiveis e aspiram ser respeitados por suas competências, aceitos como seres humanos não apenas pelo que têm, mas também pelo que são. De acordo com a maturidade social haverá variação de comportamentos. Os indivíduos dependentes tentam satisfazer suas necessidades de afeto através de relações privilegiadas, exclusivas e geralmente possessivas. Desejam relações hiperpessoais. Para esses indivíduos, os comportamentos estão classificados como subpessoal.

Esse comportamento é o de evitar elos íntimos com as pessoas. Inconscientemente, temem não ser amados e sentem dificuldades de gostar das pessoas, além de desconfiarem dos sentimentos das mesmas.

Enquanto, os indivíduos com o comportamento superpessoal procuram estar extremamente próximo das pessoas, inconscientemente ser querido é essencial como tentativa de aliviar a ansiedade de ser rejeitado. Usam a manipulação e a possessividade como técnicas sutis de relacionamento.

Os indivíduos mais socializados, denominados de pessoal, que tiveram as relações de afeto bem resolvidas na infância e interação íntima com outras pessoas, não constituirá um problema. É capaz de dar e receber afeto genuíno. O problema de afetividade é estar próximo ou distante. A interação afetiva será o abraço e a ansiedade: é de ser ou não capaz de ser amado.

Alguns anos depois, Schutz retoma estes conceitos, ampliando com mais dois: A ciclagem e a separação.

Para ele, a ciclagem representa o momento em que forças externas podem se impor ao funcionamento do grupo, chegando a fase de separação, o grupo se desfaz resolvendo suas relações de forma oposta, ou seja, do afeto para a inclusão. O autor relata também que cada dimensão pode apresentar doenças físicas especificas como enfermidades da inclusão, enfermidades do controle e enfermidades do afeto.

As enfermidades da inclusão referem-se aos limites entre EU e o resto do mundo, assim se manifestam na pele, nos órgãos sensoriais, olhos, ouvidos, nariz e boca, e com os sistemas corporais que entram em contato com o ambiente, como o sistema respiratório e digestivo-excretor. Por exemplo: Posso ter espinhas, cravos, herpes, etc., como manifestação de conflitos inconscientes relativos a inclusão, mantendo as pessoas afastadas de mim. Outro exemplo, e o câncer tradicional, onde tem-se a impressão de que os doentes tem um forte desejo de viver, mas provavelmente existe neles uma poderosa dimensão inconsciente que deseja morrer.

As enfermidades do controle referem-se aos sistemas de órgãos que controlam o corpo: músculos, esqueleto, sistema nervoso e glândulas endócrinas. Por exemplo: a interpretação da artrite pode ser vista como contenção poderosa da raiva. Geralmente mulheres jovens que gostariam de bater nas próprias mães, sentem-se culpadas, e a artrite e um caminho para o impedimento de golpear alguém fisicamente.

0 afeto refere-se a expressão de amor com o coração e de sexo com os órgãos genitais. Assim as enfermidades do afeto se manifestam no sistema circulatório. A circulação nutre o corpo todo, se esta constrita, o organismo inteiro tem dificuldade para obter nutrição suficiente. Isto acontece quando o amor esta ruim ou ausente. Quando o sangue flui livremente através de um coração descontraído e aberto, e porque o amor esta dando certo. Enfermidades genitais podem acontecer se ha culpa sexual, se a dificuldade e um problema, se os costumes religiosos ou sociais são violados.

Segundo Schutz, a inclusão, o controle, o afeto são dimensões presentes no homem desde a sua concepção. A inclusão seria paralela ao estagio oral de desenvolvimento, controle ao estagio anal e o afeto ao fálico, segundo a teoria psicanlitica de Freud.

2.CONTEXTO DAS RELAÇÕES ORGANIZACIONAIS

Em seu livro, O Prazer Expansão da consciência humana (1974), Schutz inicia sua explanação com a seguinte frase: “O prazer é o sentimento que provém da realização de nosso potencial. A realização traz ao indivíduo o sentimento de que pode defrontar-se com seu meio ambiente...O prazer requer um corpo enérgico e vivo...”(pg 15).

A busca de um sentimento de prazer esta relacionada ao desenvolvimento das capacidades de um indivíduo que pode ser alcançada através de diversas dinâmicas que lidam com percepções corporais, emoções, auto-avaliação, técnicas de associação, todas estas claramente demonstradas no livro citado.

Iremos abordar a busca do prazer no contexto das relações organizacionais, com a idéia, defendida por Shutz, de que “para o homem plenamente realizado é essencial ter um corpo bem equilibrado”. Este homem deve buscar, ou pode ser estimulado a buscar, desde que o ambiente, de trabalho, por exemplo, lhe dê condições para isso.

O método de trabalho desenvolvido pelo autor baseia-se nos Programas de Formação em grupos de encontro (grupos T). Estes grupos funcionam como laboratórios onde cada indivíduo possa ter a oportunidade de desenvolvimento de suas capacidades através de dinâmicas, conforme os objetivos citados acima, e a partir destes encontros as relações interpessoais, os sentimentos de auto-estima e as potencialidades de cada um possam ser trabalhados com um objetivo de crescimento individual e grupal, que no caso pode se tratar desde um setor dentro de uma empresa, até o contexto geral de uma instituição de grande porte.

Estes encontros podem ser apresentados em diferentes perfis, como descreveremos a seguir:

2.1. LABORATÓRIOS AFINS:


Grupo de pessoas com o mesmo nível organizacional, porém de diferentes áreas de uma mesma empresa. Este grupo se caracteriza pela semelhança de função, porém com pessoas que não fazem parte de um mesmo grupo de convívio diário.

2.2. GRUPO FUNCIONAL:

Formado por pessoas de um mesmo contexto, como por exemplo, um supervisor com todos os seus supervisionados, ou um diretor de escola com todos seus professores. O objetivo é tratar de questões específicas de seu contexto diário interpessoal.

2.3. CONSULTORIA:

O consultor pode funcionar semelhante a um médico, ou seja, busca o sintoma e desenvolve o seu repertório de técnicas na busca de soluções para o grupo. Estas técnicas podem ser de entrevistas, questionários, observação e formação de grupo T., pesquisa Aplicada, cujo os resultados serão usados dentro da consulta na busca de esclarecimentos dos problemas apresentados.

Todas estas formas de trabalho podem ser realizadas nos mais diferentes contextos sociais, como no caso de Intergeração e Educação, onde o autor realizou um trabalho em uma grande Universidade, envolvendo todos os representantes envolvidos no contexto escolar, ou seja, da direção, dos professores, dos pais de alunos, dos alunos. Foi utilizado o método de Grupo T e após um período de trabalho observou-se uma melhora na relação geral entre todos os grupos citados, ou seja, direção-alunos, pais-professores, alunos-professores, professores-direção, e assim cada pode entender o ponto de vista do outro e colaborarem para um crescimento de toda uma população estudantil.

2.4. A TERAPIA DE GRUPO DE TRABALHO


É outra forma de ação bastante útil no que diz respeito a melhorar as relações profissionais entre os companheiros. Todas as técnicas sugeridas podem ser aplicadas e o seu efeito é extremamente benéfico para o crescimento humano dentro de uma organização.

O livro citado retrata ainda a influência deste trabalho em questões Inter-Raciais, Inter-Etárias ou qualquer outra forma de discriminação, onde o convívio por um tempo maior, a aplicação de técnicas de aproximação, quebra-gelos, e momentos conjuntos de auto-avaliação e discussões podem aproximar, desde que dirigidas por um profissional competente, grupos que antes não se aceitavam, o mesmo se aplicando para relações familiares e relações íntimas em geral, sempre com o “sentido de ampliar o potencial humano”.

3. FILME: DOZE HOMENS E UMA SENTENÇA


Doze Homens e uma Sentença é  um filme que gira em torno do comportamento de grupo, através do enfoque  do procedimento dos  12 jurados com suas diferenças culturais, pessoais e de formação, expressas em seus valores, preconceitos e falsas certezas .

Cada um dos jurados tem origem, condição social e idade diferente  e, como não podia deixar de ser,  diversos  tipos de personalidade:  entre os doze, há o  tímido, o intelectual, o idoso, o de origem humilde, o imigrante, enfim ,  cada um é um ser único e está  ali para decidir sobre o destino de outro ser humano. 

O filme mostra os  fatores envolvidos no processo grupal. Em um momento decisório, evidenciando como as pessoas trazem para o grupo e para a tomada de decisão seus padrões, condicionamentos e história de vida ; evidencia as diferenças individuais que levam as pessoas a análise de um mesmo fato, visualizarem ângulos e verdades diferentes; e analisa a capacidade e características no processo da negociação. 

A análise desse filme possibilita discutir os processos e barreiras comunicacionais que podem ocorrer em uma atividade grupal, expressando os conflitos existentes, bem como as possibilidades de abertura e ressignificação dos fatos e da própria realidade, por meio de recursos comunicacionais. O filme é analisado, sob a ótica da teoria da comunicação, fazendo-se um paralelo com o processo de mediação.

Segundo Shutz todo grupo passa por fases ou etapas em sua vida. Estas fases podem reperti-se várias vezes durante a vida de um grupo, independente da sua duração.

A primeira fase é a inclusão, exemplificada no começo do filme, quando os jurados entram na sala e cada indivíduo procura o seu lugar, buscando a estruturação do grupo. Existem pessoas que se apresentam introvertidas e reservadas, por outro lado existem pessoas que se mostram extrovertidas e muito sociáveis.

Exemplo

Jurado nº 7 – “Beisebol”, 4:50 a 5:40


A segunda fase é o controle, na qual se faz referência ao poder, influência, autoridade. Nesta fase cada um definirá para si mesmo suas próprias responsabilidades e as de cada membro do grupo. Existem pessoas que abdicam do seu poder para não assumir responsabilidade, com receio de expor suas idéias.

Exemplos

Jurado nº 2 “Pastilha”, 15:48 a 16:16 a

Jurado nº 12 “Propaganda”, 14:55 a 15:16

Porém existem também pessoas que querem impor suas idéias e querem obrigar os outros aceitá-las. Receiam não influir sobre os outros, de vir a ser dominado por eles Exemplo

Jurado nº 3 “Retorna Ligação”, 16:58 a 17:08

Mas, também existem as pessoas de perfil democrático, que se sentem à vontade em qualquer situação, expondo suas idéias e ouvindo as dos outros.

Exemplo

Jurados nº 11 e 4, 48:18 a 49:52

A terceira fase é de afeição ou abertura, na qual o clima emocional do grupo pode oscilar entre momentos de harmonia e de insatisfação, hostilidade e tensão. Estes podem ser observados em vários momentos do filme.

Exemplo

Jurado nº 9, 33:48 a 34:35

Nesta fase algumas pessoas guardam distância das outras, mantendo apenas as relações superficiais.

Por outro lado, outras pessoas podem agir sempre de maneira direta, pessoal e confiante. Alguns membros do grupo podem sentir-se bem em qualquer situação, seja ela calorosa ou distante.

Exemplo

Jurado nº 8, “Arquiteto”, 1:14:55 a 1:15:35


3.1. PERFIL DOS JURADOS



1 – “RELATOR”

Demonstra segurança, maturidade e experiência de liderança. Coloca claramente seu ponto de vista, sem contudo impor seu ponto de vista, deixando os membros do grupo à vontade. Expõe objetivamente e didaticamente o tema, explica as regras referentes à necessidade de unanimidade na decisão, e a relevância do resultado do trabalho em grupo, que pode levar um inocente à morte ou um assassino à impunidade.

2 – “PASTILHA”

Estava participando pela primeiro vez de um júri, parecia indeciso sobre o caso.

Na fase do controle, demostrou ser abdicrata na segunda votação, pois mudou seu voto para inocente, mas não queria expor seus argumentos, “fugindo” da responsabilidade.

3 – “RETORNA LIGAÇÃO”

Havia brigado com seu filho há 2 anos e que desde a briga não o viu mais. Projetou sua raiva no réu e era agressivo ao falar.

Na fase do controle, ele demonstrou ser autocrata, impondo suas idéias e querendo que todos as aceitassem

4 – “CORRETOR”

Era corretor da bolsa de valores, homem sério, refinado e inabalável, único que que não suou mesmo sob calor intenso.

5 – “CORTIÇO”

Homem de aparência e comportamento simples, se criou num cortiço.

6 – “PINTOR”

Homem simples, respeitoso com os idosos e que trabalhou pintando um apartamento bem próximo dos trilhos dos trens.

7 – “BEISEBOL”

Comprou ingressos para um jogo e estava interessado em julgar rapidamente para poder ir assisti-lo.

Na fase de inclusão ele demonstrou ser hipersocial, puxou assunto com outros jurados, mesmo sem muito sucesso, tentando chamar-lhe atenção.

8 – “ARQUITETO”

Não acreditava na culpa do rapaz, era muito pensativo e ouvia todos com muita atenção e interesse.

Na fase de inclusão, preferiu ficar mais reservado, demonstrando ser hipossocial. Porém na fase de controle, demonstrou ser democrata, assumindo a responsabilidade do seu voto, sem a necessidade de evitá-las nem de provar a sua competência a todo preço, aberto para ouvir o argumento de todos. E na fase de afeição ou abertura, ele pareceu estar bem tanto em situações que aceitavam os seus argumento quanto quando eram rejeitados.

9 – “IDOSO”

Ouve com atenção os debates. Não é respeitado por um ou outro jurado quando pede a palavra.

10 – “GRIPADO”

Dono de oficinas, queria julgar rápido o rapaz para cuidar dos seus negócios, era preconceituoso com as pessoas que viviam em cortiços ou na pobreza.

11 – “RELOJOEIRO”

Homem sério e calado. Na fase de afeição ou abertura, demonstrou ser subpessoal, guardando distância das pessoas e mantendo relações superficiais. Porém nunca deixou de manifestar com precisão o seu ponto de vista.

12 – “CORRETOR”

Aparentemente o homem mais jovem de todos, era publicitário e não demonstrava interesse pelos debates sobre o caso.

Na fase de Controle, preferiu abdicar de seu poder e responsabilidade, evitando tomar decisões que pudessem influenciar outros. Demonstrando ser abdicrata, sentindo-se mais a vontade quando as situações não lhe exigiam iniciativa nem responsabilidade.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

http://www.siamar.com.br/pastavideos/dozehomens.htm

http://www.geocities.com/ctbacineclube/filmes/12homens.htm

www.google.com.br

DOZE HOMENS E UMA SENTENÇA. Título original: “Twelve Angry Men”. Direção: Sidney Lumet. Produção/Distribuição: Fox/MGM. Elenco: Henry Fonda, Lee J. Cobb, Ed Begley, E.G. Marshall, JackWarden, Martin Balsam, John Fiedler, Jack Klugman, Edward Binns, Joseph Sweeney, George Voskovec, Robert Webber. EUA. 1957. Drama. DVD. 96 min.

**************************************************************************************
Trabalho elaborado por: Ângela de A. Nogueira, Augusto Batista, Irene Peeters, Karen Gelisk,
Mirian Lopes, Petrúcia Luz  e Suênia Ribeiro

ANALÍTICS