O TRABALHO É UM BOM LUGAR PARA ESTAR


O TRABALHO É UM BOM LUGAR PARA SE ESTAR
Peter Block

Os locais de trabalho que habitamos são plataformas perfeitas para expressar nossas intenções. Meu local de trabalho é onde encontrarei minha voz. É onde descubro que tenho tudo de que preciso, e que, por não ter muito mais e me oferecer, ele perdeu sua influência sobre mim. Não importa se a liderança de nossa organização não compartilha nossos valores. É suficiente esperar que eles compartilhem valores entre si. Deixe-os ...quietos. Eles não estão aqui para satisfazer nossas expectativas. Eles existem para administrar uma organização, e não a nós. Realmente, grande parte do que a liderança institucional faz hoje vem do que eles pensaram que queríamos e precisávamos ontem. Pode ser que a instituição nos ouça no momento em que encontrarmos nossa voz. Alguns racionalizam sua cautela ao dizer: “Deixe-me jogar o jogo para que eu possa entrar nele”. Se eu não for eleito, minha voz não importa. Eu cantarei a canção deles hoje, para que eu possa tocar minha própria composição mais tarde. É um adiamento tolo. Pois os líderes partilhavam da mesma crença. Eles esperaram para encontrar sua voz até que estivessem em uma posição de poder. Em algum ponto eles olharam para trás e descobriram que seu tempo havia passado, que sua voz estava mal colocada. Alguém havia deixado o bolo na chuva. Seus desejos perderam a vitalidade por falta de uso. Por que pensarmos que será diferente conosco? A intenção é permanecer íntegro e manter nosso centro. Robert Sardello escreveu em “Facing The World With Soul”, que devemos mostrar nossos eus verdadeiros ao mundo. Se o mundo funciona sem um centro, isso pode nos custar o nosso. Se a comunidade não tem centro, ou um prédio mostra poucos sinais de vida, algo morreu dentro de nós. É por isso que temos participação na vitalidade urbana e no poder econômico-social. A omissão nos deixa com um conflito não resolvido dentro de nós. Mudar-se para o subúrbio não ajudará. Se estamos criando o mundo, então ele está nos criando ao mesmo tempo, e, mesmo se desviarmos nossa atenção ou nos mudarmos, continuaremos eternamente conectados com algo maior. Disso não podemos escapar. A cidadania significa agir como se coubesse a mim criar esse lugar maior, enquanto a sabedoria convencional diz que eu não posso ter responsabilidade sem ter autoridade. Essa é uma ideia ultrapassada. Deixe-a morrer em paz. Sou responsável pela saúde da instituição e da comunidade, ainda que não as controle. Posso participar da criação de algo que não controlo." BLOCK (2004, p. 115-147)
 
BLOCK, Peter – Comportamento organizacional: desenvolvendo organizações eficazes, São Paulo, M. Books do Brasil Editora S.A., 2004

Postagens mais visitadas deste blog

PSICOLOGIA SÓCIO-HISTÓRICA: SUBJETIVIDADE E MUNDO SOCIAL

DINÂMICA DE GRUPO - CONCEITOS DA TEORIA DE WILL SCHUTZ

PSICOMOTRICIDADE: PRINCIPAIS CONCEITOS